Tudo sobre o Recibo Provisório de Serviços

In Contabilidade, Empreendedorismo, Finanças, Profissional Autônomo by Boleto FácilLeave a Comment

Em alguns casos, problemas logísticos podem afetar a emissão de uma nota fiscal. Mas interromper o processo significa que tudo está perdido e seu cliente ou fornecedor ficará sem a nota?

Nada disso! Nessas horas, a solução é bastante simples: utilizar um Recibo Provisório de Serviços (RPS).

O Recibo Provisório é retirado na prefeitura, possui numeração prévia e pode ser preenchido manualmente, em casos emergenciais, com as informações da sua empresa e do cliente. Ele substitui a nota fiscal e possui três formatos: o Recibo Provisório de Serviço, que representa as notas fiscais eletrônicas (NFS-e) e as antigas notas fiscais de serviço (NFS), de fatura de serviço (NFFS) e as notas simplificadas de serviço (NFSS); o Recibo Provisório de Serviços de Nota Fiscal Conjugada (RPS-M), que substitui notas fiscais mistas, que identifiquem produtos e serviços; e o Recibo Provisório de Serviços Simplificados (RPSS), que são similares aos cupons fiscais e levam apenas o CPF ou CNPJ do comprador.

Como gerar um recibo provisório de serviços?

Para ter um RPS, é preciso fazer uma solicitação na Prefeitura e ter autorização para utilizá-lo. O ideal é fazer essa solicitação com antecedência, como uma maneira de prevenir futuros problemas. Os modelos do RPS mudam de acordo com cada município, mas é importante que o recibo identifique seu CPF/CNPJ, para que você possa fazer a conversão para nota fiscal eletrônica (NFS-e).

Ele elimina a necessidade da nota fiscal?

Não. O RPS é válido por pouco tempo e deve-se emitir a nota fiscal eletrônica para o cliente em até cinco dias, a partir da data do recibo. Ao enviar a nota fiscal, você pode associar a ela o RPS para manter as informações de compra e venda atualizadas.

A conversão é simples: no sistema da prefeitura da sua cidade, envie as informações do RPS (em formato XML) e autorize a conversão para nota fiscal eletrônica de serviço.